De volta a Galeria Trapiche, projeto mediado por Talita Guimarães recebe dramaturga do Grupo TeatroDança nesta quarta (16), às 19h30.

Após promover uma maratona de encontros diários com escritores durante a 10ª Feira do Livro de São Luís, o projeto Literatura Mútua retorna à Galeria Trapiche (Praia Grande, em frente ao Terminal de Integração) nesta quarta-feira (16/11) para uma roda de conversa com a dramaturga maranhense Júlia Emília, comentando experiências de leitura, escrita e as dramaturgias do corpo a partir das 19h30. A entrada é gratuita e a mediação é da jornalista Talita Guimarães.

 “A ideia é promover encontros em que autores comentem como a leitura atravessa suas percepções humanas e influencia em seus trabalhos. Assim, eles compartilham quais livros foram marcantes em suas trajetórias, leem seus trechos preferidos, trocam indicações de leitura com o público e incentivam o hábito de ler. Além, é claro, de falarem sobre seus trabalhos como criadores.”, explica a jornalista Talita Guimarães, idealizadora do projeto. Durante a conversa, o público pode interagir com perguntas e comentários, além de adquirir os livros dos convidados e concorrer a exemplares em sorteio.

“A Galeria Trapiche, enquanto equipamento cultural municipal, está aberta e interessada em projetos dessa natureza, que estimulam o diálogo não somente com as artes visuais, nosso campo de atuação, mas também com outras linguagem artísticas, e essa transversalidade de linguagens inclusive que a literatura possibilita dentro do lúdico e da imaginação, estimula também a criação de trabalhos nas artes visuais. Além também de ser um projeto espontâneo de novos talentos da cidade”, afirma Camila Grimaldi, Coordenadora da Galeria Trapiche.

LITERATURA MÚTUA – Projeto literário sem fins lucrativos, idealizado pela escritora e jornalista Talita Guimarães, que visa reunir escritores contemporâneos publicados ou não, em rodas de conversa mensais sobre experiências de leitura e escrita. Já participaram do projeto os escritores Felipe Castro (MA), Sabryna Mendes (MA), Jônatas (MA), Thalita Rebouças (RJ), Ferréz (SP), Duda Veloso (MA), Igor Nascimento (MA), Gustavo Lacombe (RJ) e Zema Ribeiro (MA). Em novembro de 2016, o Literatura Mútua promoveu, a convite da Secretaria Municipal de Cultura – SECULT, seis rodas de conversas com autores convidados da 10ª Feira do Livro de São Luís – FeliS no Espaço Jovem, na Praia Grande. Em dezembro, o projeto recebe a poetisa Manu Marques Barbosa, para a última roda de conversa da temporada 2016. Os encontros gratuitos são sempre às 19h30 na Galeria Trapiche (Praia Grande, em frente ao Terminal de Integração).

TALITA GUIMARÃES – Nasceu em São Luís-MA (1989), é jornalista e escritora. Autora de Recorte! (2015) e Vila Tulipa (2007), agraciado com Prêmio Odylo Costa, Filho no XXX Concurso Literário e Artístico Cidade de São Luís em 2006. Edita o Ensaios em Foco (www.ensaiosemfoco.blogspot.com.br), escreve e ilustra crônicas às quintas-feiras para o Armazém de Cultura (www.armazemdecultura.wordpress.com.br) e desenvolve projetos para Cinema e TV Pública em São Luís-MA, onde reside.

JÚLIA EMÍLIA – Natural de São Luís-MA (1954), dramaturga e fundadora do Grupo TeatroDança, voltado para trabalhos artísticos interessados pela potencialidade da ação em investigações do corpo e do movimento. Autora de Vivendo TeatroDança, investigações de um artista maranhense para crianças de qualquer idade (2015), livro que conta a trajetória de três décadas do grupo e reúne as dramaturgias de “Bicho Solto Buriti Bravo”, “O Baile das Lavandeiras” e “Meninos em Terras Impuras”.

SOBRE O LIVRO – O livro Vivendo TeatroDança, investigações de uma artista maranhense para crianças de qualquer idade, publicado pelo Edital de Literatura 2014 da FAPEMA, é um ensaio analítico que pretende demonstrar que as desilusões, mudanças, demandas, entusiasmos e modas do tempo não abateram o coletivo artístico pela força de suas investigações, resistindo por mais de três décadas no emergente mercado maranhense. O TeatroDança tem o dever de compartilhar estas experimentações com textos dramatúrgicos, processos fundamentados, fotos e clipping, para que se registre parte da história pioneira da dança e da cena maranhense, percorrendo a trajetória de uma artista inquieta em suas propostas cênicas, que considera a tradição popular mantendo os pés na atualidade.